Pastor é libertado depois de ter sido condenado a 2 anos de prisão por dizer que oração cura Covid-19

Reprodução

O pastor Keshab Raj Acharya foi condenado a dois anos de prisão pelo Tribunal no Nepal sob a dura lei anticonversão do país por simplesmente dizer que as orações podem curar Covid-19, segundo relatórios.

Nesta última semana, o Tribunal Distrital de Dolpa sentenciou o pastor a dois anos de prisão e uma multa de US $ 165 (20.000 rúpias) por sugerir nas redes sociais que a oração poderia trazer a cura do coronavírus, afirma em comunicado, o órgão de vigilância da perseguição dos EUA International Christian Concern.

Acharya foi preso pela primeira vez no dia 23 de março do ano passado em sua casa em Pokhara, província de Gandaki Pradesh, sob a acusação de espalhar informações falsas sobre Covid-19. Embora ele tenha sido libertado cerca de duas semanas depois,, ainda assim, foi preso novamente momentos depois sob a acusação de “ultrajar sentimentos religiosos” e “proselitismo“.

Após mais de três meses na prisão, o pastor foi libertado em 3 de julho de 2020, depois de pagar fiança equivalente a cerca de US $ 2.500.

Em um vídeo viral postado na internet, aparece o pastor orando em frente de sua congregação, citando as palavras: “Ei, corona – vá e morra. Que todas as suas obras sejam destruídas pelo poder do Senhor Jesus. Eu te repreendo, corona, em nome do Senhor Jesus Cristo. Pelo poder ou governante desta Criação, eu te repreendo. … Pelo poder em nome do Senhor Jesus Cristo, corona, vá embora e morra”.

O gerente regional da ICC para o Sul da Ásia, William Stark, conta que as autoridades pareceram empenhadas em condenador o pastor: “Por mais de um ano, as autoridades no distrito de Dolpa pareceram empenhadas em condenar o pastor Acharya de algo e puni-lo por simplesmente ser um pastor cristão. Desde que a nova constituição foi adotada em 2015, os cristãos nepaleses temem que o Artigo 26 e suas leis sejam usados ​​para atingir sua comunidade”.

Stark ainda relatou que “a ampla lei anticonversão do Nepal deve ser revogada se a liberdade religiosa for realmente um direito a ser desfrutado pelos cidadãos do país”.

Depois de sua libertação em julho passado, Acharya explicou ao Morning Star News que foi um período “muito difícil” para ele.

Em relação ao vídeo que viralizou na internet, o pastor revelou que naquele momento pensava em sua família: “Eu pensava em meus filhinhos e em minha esposa e clamava ao Senhor em oração. Eu olharia para Ele na esperança de que, se fosse da Sua vontade que eu passasse por isso, Ele me tiraria disso”, expressou ele na época.

Do Diário Gospel com informações do Christian Post

Comentários

Por José Souza

Baiano, José Souza é um Jornalista. Atuou como freelancer para diversos sites conhecidos. Hoje, é colaborador do Diário Gospel. (Registro Profissional-5171/BA). E-mail: jjsouza_19@hotmail.com

Confira também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Todos os Direitos Reservados ©2022 Diário Gospel